registro de marca documentosMuitos empreendedores associam a constituição de uma empresa à proteção de sua marca. No entanto, essa é uma ideia bastante equivocada. Após registrar o contrato social, que é o documento que formaliza a criação de uma empresa, não existe nenhuma garantia ou proteção com relação à marca, ainda que ela esteja associada ao negócio. Para que seja protegida, é necessário registrar uma marca em um órgão específico, o Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI).

Para entender mais como funciona esse procedimento e quais documentos o empreendedor deve apresentar para promover o registro, continue acompanhando nosso post!

Processo de registro

Antes de dar entrada em seu pedido, o empreendedor deve checar se a marca já não foi registrada por terceiros. Essa informação pode ser checada no próprio sistema de buscas do INPI.

Caso a marca esteja liberada, ou seja, sem registro prévio, o empreendedor pode dar início ao processo diretamente no INPI. O pedido também pode ser feito por meio de empresas especializadas em registro de marcas.

Documentos necessários

Basicamente, os documentos requeridos devem comprovar quem é o titular do registro da marca e quais as atividades exercidas, uma vez que o registro da marca pressupõe que esteja relacionado com as atividades.

Se o interessado for uma pessoa física, além dos formulários preenchidos, deve apresentar cópia do RG e do CPF, além de documento que comprove sua ocupação profissional relacionada ao registro da marca, como uma carteira do órgão de classe ou conselho profissional, por exemplo.

No caso de pessoa jurídica, é necessária a apresentação da documentação com a cópia do CNPJ e do contrato social.

Em ambos os casos, é possível que o registro seja feito por terceiros (empresas especializadas, como a Juris Labore), desde que haja uma procuração autorizando.

Todo o processo deve ser acompanhado junto ao órgão, já que este pode pedir documentos adicionais, por exemplo. O INPI publica semanalmente os atos relacionados aos processos na RPI - Revista da Propriedade Industrial, uma espécie de diário oficial, portanto é importante estar atento.

Conclusão do registro

Após a conclusão do processo, o interessado somente terá direito à titularidade da marca após receber o Certificado de Registro. Portanto, a entrega dos documentos e protocolo do processo não indicam a titularidade da marca.

Com o deferimento do processo, o interessado também deve pagar uma taxa relativa ao prazo de validade e à emissão do certificado. É importante destacar que o registro da marca vale por dez anos, contados da concessão do certificado e pode ser prorrogado por períodos iguais e sucessivos.

Com o certificado em mãos, a marca já poderá ser usada e, no caso de renovação, um novo procedimento deve ser feito no último ano de vigência do registro para que a marca não seja arquivada e volte ao domínio público.

Você precisa registrar sua marca? Tem dúvidas sobre o procedimento de registro no INPI? Teve algum problema relacionado ao registro da sua marca? Deixe suas dúvidas nos comentários abaixo. Compartilhe sua experiência conosco!

Deixe um comentário

comentários

About the Author

Receba nossa newsletter



x

Escolha o plano ideal para sua empresa
ou tire suas dúvidas.